Por: Fernanda

Notícias sobre a greve dos Correios

Em várias cidades do país os Correios entraram em greve no dia 14 de setembro, por conta de impasses na negociação entre os funcionários dos Correios e a direção da Estatal.

Já são quase 30 dias de greve e os transtornos estão sendo muitos, além dos Correios os bancários também estão em greve o que dificulta o trabalho de muitas pessoas.

Foi no dia 14 de setembro que se iniciou a greve dos Correios, até então diversas empresas não tinham adotado a paralisação, pois a empresa tinha 77% dos seus efetivos em atividade normal, isso tudo aconteceu pois mesmo com as paralisações as pessoas não poderiam ter as suas encomendas atrasadas.

A diretoria da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentec) afirmou a sua disposição em negociar.

O que os grevistas querem?

Os grevistas querem uma fixação no piso salarial em R$1.635, onde atualmente é de R$807 e ainda um reajuste de 7,16% para os demais salários.

A proposta patronal prevê 6,87% que está acumulado desde agosto de 2010 e julho de 2011, também propõe a incorporação de R$50 a título de aumento real a partir do ano que vem.

Segundo Elias Cesário de Brito Junior, presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Similares de São Paulo o lucro da estatal no primeiro semestre de 2011 chega á R$500 milhões, registrando assim um grande crescimento sobre os outros anos, dando todas as condições para que haja uma proposta melhor para ser apresentada, pois “Todo este lucro só foi possível com a superexploração dos trabalhadores” acusa Elias.

Como ficou a decisão da Justiça

Assim os correios resolvem mandar esta decisão para a justiça, segundo o TST (Tribunal Superior do Trabalho) a greve dos Correios não é abusiva e determinou que eles voltem ao trabalho, isso de acordo com a Seeção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do Tribunal Superior do Trabalho.

Com o julgamento a categoria deve retornar ao trabalho a partir do dia 13 de outubro quinta-feira, pois assim ficou decidido que o reajuste salarial será de 6,87% a partir de agosto de 2011, o aumento real no valor de R$80 a partir de 1º de outubro de 2011, vale extra de R$575 a ser pago no mês de dezembro de 2011 e aos trabalhadores admitidos até 31 de julho de 2011 vale alimentação de R$25 e vale-cesta de R$140.

E com relação aos dias parados, como fica?

Este foi o ponto mais discutido no julgamento. O relator, ministro Maurício Godinho Delgado propôs a compensação total por meio de trabalhos aos sábados e domingo e a devolução de seis dias já descontados pela ECT.

Já o presidente do TST, ministro João Oreste Dalazen defende que de acordo com a Lei de Greve (Lei nº 7783-1989), a paralisação significa a suspensão do contrato de trabalho, cabendo, portanto o desconto integral dos dias paralisado.

No final o que prevaleceu foi proposta do corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Barros Levenhagen que autoriza o desconto de sete dias e a compensação dos 21 dias que restaram. Esta compensação deve ser feita até maio de 2012, aos sábados e domingo, onde o funcionário deverá ser convocado pelo menos 72 horas de antecedência.



Nenhum Comentário Quero Comentar!

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Comentário

Pesquise!

Cadastre-se!

Compartilhe!